FIL FALA SOBRE A MUDANÇA DO NECK DEEP NO 'THE PEACE AND THE PANIC'


Antes do show em Toronto, Ontário, Fil conversou com o site playlistplay sobre como foi mudar um pouco o som da banda com o álbum TPATP, como foi entrar em turnê com o A Day To Remember e os gêneros que cresceu ouvindo. Confira a entrevista traduzida a seguir.

O que você achou ser a parte mais desafiadora de escrever/produzir o 'The Peace And The Panic'?
Eu acho que todo o processo veio natural em fazer o álbum. A única coisa que foi um pouco difícil foi ter certeza de que era consistente, você sabe, e escolher quais músicas funcionaram melhor juntas para fazer a listagem final das faixas. No geral, eu pensei que tudo correu bastante bem!

Sobre isso, o que você achou ser a parte mais gratificante em fazer esse álbum?
Provavelmente apenas ouvir o produto acabado, que levou cerca de um ano para fazer. Com todas as sessões que fizemos e as gravações, foi realmente ótimo ver tudo se juntar em algo que realmente colocamos o tempo e o esforço para fazer.

Você forneceu muitos dos backing vocals que realmente ficaram bem com a própria voz de Ben. Alguma vez você já se interessou por cantar sozinho em uma única música?
Sim, essa foi uma das coisas mais novas que estávamos testando nesse álbum. Na verdade a coisa toda por trás de eu cantar era que, antes era estritamente Ben, mas porque tínhamos harmonias tão complexas, precisávamos de alguém para começar a cantar além de Ben. West e Dani não estavam muito interessados ​​nisso, então ficou pra mim e eu nunca fui muito para cantar e nunca soube realmente cantar. Se você ouvir alguns velhos vídeos ao vivo, eu soava bastante áspero, mas foi realmente uma dessas coisas em que eu apenas tive que aprender conforme for. Eu fiquei mais forte e forte com isso e comecei a me sentir mais confortável até chegar ao ponto em que eu estaria cantando sozinho em certas partes de algumas músicas. Graças a Deus acabou dando certo, mas talvez algum dia no futuro possa acabar como uma coisa de tipo Mark Hoppus e Tom DeLonge, com Ben e eu!

O que provocou a mistura de diferentes sons e gêneros neste álbum recente?
Bem, com a única faixa como "Where Do We Go When We Go", por exemplo, senti que a estrutura estava um pouco fora no início, mas Ben então teve a idéia de as crianças cantando como uma introdução que eu acho que realmente tornou a música completa. Me lembrou de "Letterbomb" do Green Day, que foi muito legal. Então eu acho que todos tendo todas essas ideias sobre o que acham que funciona melhor para cada música e misturando realmente deu o som e o estilo diferentes que você não ouviu em nenhuma das nossas coisas passadas.

Qual foi a mensagem geral ou declaração que vocês queriam fazer quando vocês lançaram o 'The Peace And The Panic'?
Eu acho que 'The Peace And The Panic' foi apenas nós tentando provar que não somos apenas uma banda pop-punk. Como com o 'Life's Not Out To Get You', nós amamos isso e não mudaríamos nada, mas é inteiro muito pop-punk. O novo álbum, com músicas como "In Bloom" e "Parachute", acho que deu a todos uma ideia melhor sobre o que somos capazes, de não ser apenas outra banda pop-punk. Nós temos sonhos, queremos nos ramificar e não estar nesse pequeno mundo pop-punk para sempre.

Vocês fizeram turnê com A Day To Remember em toda a Europa em janeiro, como foi isso?
Sim, nós fomos ao Reino Unido e Europa com eles e foi demais. Eu sou um grande fã de ADTR e foi uma das coisas que sempre soubemos que aconteceria, mas nunca tinha sido o momento certo até então. Com o choque de horários diferentes, foi fantástico poder finalmente entrar em turnê com esses caras um pouco, depois de esperar tanto tempo.

Qual sua memória favorita da Warped Tour?
Ah, isso é difícil... Meus tempos favoritos quando estávamos na Warped Tour foram as duas primeiras vezes. O primeiro estava tão bom, com as melhores vibrações possíveis. Foi um bom ano para Warped, mas eu lembro da segunda ou primeira vez que tocamos e foi em Toronto. Eu acho que foi a primeira vez na verdade, sim, era, e estava chovendo e todos estavam ficando loucos, então foi ótimo, cara.

Bandas da ilha do deserto se você tivesse que escolher?
Eu sei que é um tipo de clichê, mas eu diria que blink-182 ou Green Day, com certeza. Na verdade, provavelmente Misfits também, se eu tivesse que escolher outra.

O que você cresceu ouvindo, em termos de gêneros?
Eu realmente não tinha ninguém na minha família que realmente ouviu música quando eu estava crescendo. Quero dizer, eu tenho uma irmã mais velha que ouvia Beyoncé, então eu realmente não tinha ninguém para me mostrar o caminho, mas acabei encontrando blink-182 e tudo mais a partir daí. Eu costumava ir à minha loja de CD local e procurar na seção de punk e comprar um álbum aleatório como Anti-Flag ou um álbum do Misfits ou o que for. Mas, sim, eu definitivamente tendi a ficar no lado punk e alternativo da música que eu ainda estou, mas agora está misturado com o lado pop-punk por causa do nosso próprio som.
Neck Deep Brasil. Tecnologia do Blogger.